A Historia de Ernesto Santos.


Minha vocação, por Ernesto Santos

Minha vida, minha Felicidade.

A Igreja Apostólica cumpre a justiça divina na Terra.

A minha história parece até engraçada.
Desde pequeno, cerca de 8 (oito) anos de idade, eu já tinha uma admiração muito grande pelos oradores, achava o máximo, o jeito deles falarem, de se comunicar para um monte de gente, de pessoas...

A verdade é que sempre que eu tinha a oportunidade, lia os livros e doutrina da Igreja, em voz alta para que meus pais pudessem ouvir, e eles reclamavam muitas vezes quando eu gaguejava, ou errava a leitura.

Com isso fui angariando alguns recursos para que eu pudesse ter noção da lei apostólica, da Graça de Jesus e principalmente entender a estadia do Consolador na pessoa da Santa Vó Rosa amada. O tempo passava, aqueles livros tornaram se para mim referencia, tanto é que comecei a comparar com a Bíblia Sagrada.
Isso foi uma grande prova de que Deus capacita os escolhidos para uma missão especial.

Fui criado num sítio na cidade de Itapevi, região metropolitana da grande São Paulo, e sempre fui criado pelos meus pais, não tive irmãos, e meus pais me tratam como uma perola, isso devido ser único. A verdade é que sempre meu pai incentivou a crer na benção profética do Primaz Irmão Aldo e em Maria Santíssima como mãe de Jesus e do povo apostólico, cheia de Amor e bondade absoluta.

O engraçado é que com um tempo, eu escondido dos meus pais usava um tipo de “palco” existente na chácara que até os dias de hoje eu moro, e comecei a pregar, e naquela época eu ainda era criança, e fazia isso na base da brincadeira. E assim eu fazia isso sem saber que um dia estava no altar da Santa Igreja Apostólica de Jesus na Terra.

Mas por outro lado a brincadeira era uma coisa, mas eu sabia que não tinha condições para realizar aquele trabalho, pois eu era uma pessoa tremendamente acanhada, tímida, que se estivesse falando com muita gente tremia muito, e não tinha condição de falar, pois eu travava. Aí não saia nada da minha boca.

Deus escreve certo em linhas tortas, esse é o ditado popular, mas bem na verdade, fui crescendo e evoluindo mais, no que consiste ao aperfeiçoamento (assim eu creio), mesmo por que Deus sempre vivifica aqueles que podem fazer algo pelo resgate de almas, que possam logicamente ser dignificados para a Sua obra na terra.
Assim aconteceu com a Santa Vó Rosa, e atualmente com o Nosso Amado Primaz Irmão Aldo querido.

Pois bem, certo dia senti na alma, num dia de festa na sede, que os obreiros estavam tendo certa dificuldade para organizar uma fila de entrada e saída, pois a matriz estava super lotada, não havia muito espaço, e num determinado parâmetro não saia ninguém nem para um lado e nem para o outro. Mas fiquei um pouco preocupado com essa situação, e após aquela condição ali apresentada, disse para mim mesmo que estaria a disposição da Igreja para fazer a diferença, pelo menos ajudar ali.

Mas na minha cabeça vinha assim: sou tão tímido, não sou muito de conversa, como vou ficar lá junto dos obreiros?? Ai não sei se isso vai dar certo. Mas, certo dia pensei: se eu não tentar fazer alguma coisa vou ficar assim para toda a vida?
Não, eu sabia que tinha que eu fazer alguma coisa na obra, sabia que eu precisava ajudar a Santa Vó Rosa, sabia o que eu sentia na alma. Então resolvi ajudar um ano como obreiro de congregação.

Depois dessa etapa, fui fazer o teste na sede apostólica em São Paulo Capital, porém eu já sabia da responsabilidade que ia ser posta nos meus ombros. Falar com várias pessoas ao mesmo tempo!
Ai foi o meu maior medo... pois eu sabia a minha limitação, do meu modo de falar, do medo das pessoas em cair na gargalhada devido ao meu sotaque diferente. Pois eu nasci no meio rural praticamente, e você deve saber como é o sotaque daqueles que são mais do interior...

Nessa época, foi muito intensa para mim, mais foi a época que me entreguei muito nas mãos da Santa Vó Rosa para me ajudar, mas com muito fervor na alma mesmo! Pois na verdade eu tinha medo de falar em público, tinha medo do que as pessoas poderiam achar.

Amado internauta, eu sei que nas primeiras reuniões a situação foi MUITO difícil mesmo. Pois minha infância eu apenas tinha contato com meus primos, meus tios, meus pais, enfim... porém eu posso aqui dizer que foi na escola que eu tive uma desenvoltura muito grande para apresentar alguns trabalhos para os outros coleguinhas, mas na Igreja a situação é de responsabilidade, e não deve ser feito sem noção da ética e do bom senso.

O que eu posso dizer aqui nesse espaço é que na verdade Deus estrutura as pessoas para Sua obra na terra. Muitas vezes Ele não escolhe os capacitados, mas capacita os escolhidos para uma grandiosa obra de salvação. Eu sei que muitos já nascem para fazer a diferença e serem ícones na obra, porém outros já não tem essa mesma condição, ou sorte. Cada pessoa é diferente.

Deus sabe muito bem aquilo que precisa para a pessoa lhes ajudar na obra, e assim vai lhes ajudando dia a dia, a fim de ser uma benção na vida das outras pessoas também. E hoje no meu ministério muitos são que falam que não tem o dom, mas esse pode ser aperfeiçoado, pode ser estruturado, mas vai depender de cada pessoa, da vontade de ajudar a Deus, Jesus e o irmão Aldo nessa palavra de santidade.

Se Deus esta a frente dessa obra, é tempo de oração, por isso, é legal sempre pedir a Deus e além do mais muita lealdade a Deus e seus Santos poderosos que nos inspiram em nosso ministério. A oração é primordial para sermos usados por Deus Pai na maneira que Ele assim requer. Aquele obreiro oficiante que FAZ SUA ORAÇÃO, antes da reunião, pedindo a nobre inspiração do Primaz e da santa Vó Rosa, é uma porta aberta para uma Boa obra de edificação ao povo apostólico.

Estamos nessa Igreja não é a toa, mas com a missão de levar paz, e alegria aos triste a em conflito. Quem assume um cargo na Igreja não é para ficar falando mal desse ou daquele, mas de ajudar ao Primaz Irmão Aldo como porta voz dos céus na Terra. Nós somos apenas servos, estamos aqui na terra para fazer o bem, plantarmos uma boa semente de ternura, carinho e consagração perene. Em minha opinião a pessoa deve ser valorizada, seja do maior ao menor, sem que haja retrocessos, mas sempre avanços, numa progressão maravilhosa e fantástica. Devemos sempre progredir, sempre buscar mais sabedoria, mas zelo e depositar na Santa Vó Rosa a confiança de dizer a BOA PALAVRA da eterna vida.

Eu quero lhes dizer uma coisa: se nós estivermos com o interesse genuíno de fazer a diferença na vida das outras pessoas, iremos sempre fazer o melhor daquilo que esta ao nosso dispor.

Deus não é homem para se arrepender, Ele é supremo, Ele é a força bendita e faz sempre o melhor para cada momento de nossa vida. Não de ouvidos aqueles que nada tem de Deus, e criticam o nosso amado Primaz Irmão Aldo, pois esse servo de Deus esta a frente dessa Igreja com a vontade soberana de Dele.

A verdade é que todo treinamento persistente gera progresso milagroso. Quem treina bastante tem mais chances de ser usado pelo Primaz para congregações grandes, que tem uma desenvoltura maior, e assim normalmente é escalado para filiais maiores em número de pessoas. Treine bastante e quando vier para São Paulo na sede, faça seus treinamento, tire suas dúvidas. Deus pode te ajudar quando sua pessoa esta com vontade de crescer, e no ministério é fator preponderante.

Amado internauta, eu sei que o Meu Redentor vive, e nunca se esquecerá de mim, eu sei que a minha vida esta Nele e com Ele, sua estadia nessa terra é uma benção na minha vida. Pois Ele é onipresente, onipotente. E assim Deus somente pode usar aqueles que são simples de coração e sabe o valor imensurável dessa obra de fé e de caridade.

 Queridos internautas, eu posso dizer uma coisa: a fé é fundamental para a nossa edificação, pois a mesma é de grande ajuda na obra e no ministério, e assim fazendo será sempre abençoado. Hoje eu creio que devemos ser uma pessoa devotada a Deus para abençoar outras pessoas carentes de atenção da sociedade e principalmente de uma palavra de animo, fé, coragem e determinação proveniente de Deus e de Jesus Salvador.

Esse é um pouco de minha história, e espero que Deus lhes ajude e abençoe muito e muito mesmo. Um forte abraço e fique na paz do Senhor Jesus Cristo.

Assina: Ernesto Santos.


2 comentários:

  1. Gostei muito Ernesto. Parabéns pela sua disposição em bem servir a Deus e a Jesus nesta santa igreja. Porque os que assim o fazem ajudam a santa vó Rosa e o Primaz querido irmão Aldo,nesta grande obra de redenção para a felicidade daqueles que com humildade aceitar a nossa palavra que é a palavra desta igreja apostólica. Onde se faz presente o outro consolador da promessa de Jesus. Realizando tudo para honra e gloria de seu santo nome.

    ResponderExcluir
  2. Ola meu irmão li um pouco de sua história, gostei muito de uma frase que você sempre fala,,,sobre a fé,,,Realmente a fé e a base da nossa vitória, também penso assim e também estou ai nesta batalha de sempre cada dia mais divulgar a nossa fé em Deus em primeiro lugar pois sem Deus Nada somos e a nossa fé também em nosso Senhor Jesus Cristo na Virgem Maria e na Santa Vó Rosa nossas mães Celestiais e no nossa Profeta Irmão Aldo Bertoni que esta sempre a nos amparar e a nos ajudar, Parabéns pelo belo trabalho Irmão Ernesto,que Deus possa abençoar cada dia mais.

    ResponderExcluir

A Boa Educação nesse blog é primordial, os comentários aqui postados deverão trilhar pela ética e pelo bom censo, pois toda afronta será retirada deste canal.